04 novembro 2005

Palácio Imperial de Quioto

Com a multidão que aqui (parcialmente) se vê a visitar um palácio que só está aberto ao público uns dias por ano, não é de estranhar que acabemos por ver menos do que queremos (e que acabemos por fotografar ainda menos.
No sítio da Agência da Casa Imperial encontra-se informação genérica sobre a família imperial (membros, ocupações, porque é que uma princesa acaba de renunciar ao seu estatuo de membro,...) e sobre as respectivas propriedades, tais como palácios e outras coisas que tais. O Imperador renunciou ao seu estatuto de deus vivo (após a segunda das guerras chamadas mundiais), mas não renunciou a outras coisas, é claro.